O Pecado Imperdoável

jan 1, 2011 by

O Pecado Imperdoável

Por Marcio S. da Rocha.

Jesus falou de um pecado que é imperdoável. É a blasfêmia contra o Espírito Santo (Mateus 12). Alguns pensam que este pecado é cometido hoje em dia quando incrédulos fazem brincadeiras zombeteiras com o Espírito Santo. Pensam que tais pessoas, mesmo que venham a se arrepender e converter a Deus, nunca serão perdoados.  Será que esta interpretação é correta?

No contexto de Mateus 12, o pecado imperdoável foi especificamente atribuir os milagres de Jesus ao poder de Satanás, mesmo sabendo que Jesus era da parte de Deus. Quem fez isso foram os fariseus. Esses possuíam um grande conhecimento sobre Deus – eram mestres da lei de Moisés – e dominavam (juntamente com os saduceus) o Templo de Jerusalém e o sistema religioso em Israel. Além disso, tinham privilégios políticos e financeiros diante dos dominadores – os romanos. Porém, quando o próprio Deus, a quem eles afirmavam que serviam, entrou em seu mundo e agiu fora dos ambientes religiosos sem lhes pedir permissão, fazendo milagres, cumprindo as profecias do Antigo Testamento, anunciando a salvação e até criticando os religiosos, eles se sentiram ameaçados. Para eles, Jesus estava demonstrando a todos que o sistema religioso, no qual os fariseus eram dominadores, não era necessário para Deus. Por isso, acusavam Jesus de ser satânico, para tentar afastar o povo dele. Sabiam que Jesus é bom, mas o chamaram de mau. Sabiam que Jesus é Divino, mas o acusaram de ser demoníaco. Aí foram longe demais.

O melhor, quando interpretamos a Bíblia, é tentar encontrar o significado pelo contexto do capítulo, do livro, e do autor, e não extrapolar. Muitos erram quando pegam uma passagem e a aplicam a situações que não têm nada a ver com o seu próprio contexto. Portanto, não se pode concluir que as brincadeiras zombeteiras dos incrédulos de hoje contra o Espírito Santo nunca serão perdoadas por Deus, se eles vierem a se converter (se arrepender) depois. Isto não está no contexto de Mateus 12, portanto extrapola o que está dito no texto, tornando-se uma interpretação errônea. Pensar que um incrédulo que zombou do Espírito Santo, mesmo que venha a se arrepender e se converter a Jesus, nunca será perdoado por Deus, seria como afirmar que Jesus Cristo não redime um pecador. É contraditório com a redenção maravilhosa e total que o Novo Testamento afirma que Cristo faz (1 João 1.9). No entanto, é obvio que se os incrédulos permanecerem no mesmo estado natural, rebeldes (sem aceitar Jesus com seu Senhor), estão perdidos de qualquer jeito. Tanto faz se zombarem, blasfemarem ou não.

Por outro lado, um crente fiel (cristão autêntico) jamais blasfemará contra o Espírito Santo. Simplesmente não existe essa possibilidade, pois ele ama ao Senhor, entregou sua vida a ele e tem em Jesus o seu prazer, como dizem os Salmos 1 e 37. Uma pessoa assim jamais dirá que ele pertence ao domínio de Satanás. Então, quem teria a possibilidade de praticar este pecado imperdoável aos olhos de Deus? Olhando para o contexto da passagem e fazendo a devida aplicação para hoje, seriam aqueles semelhantes aos fariseus, ou seja, os religiosos, que possuem um grande conhecimento sobre Deus (até sobre Jesus), mas o rejeitam como Senhor pessoal. Sempre haverá “fariseus” em todas as gerações e em todas as nações – pessoas que tem conhecimento sobre Deus e sobre a Bíblia, possuem títulos e dominam instituições religiosas, mas, na verdade, não pertencem a Jesus. Esses podem vir a blasfemar contra o Espírito Santo. Basta surgir perto deles alguém que realmente é de Deus, fazendo as obras dele, para que esses dominadores religiosos os acusem de estar realizando essas obras pelo poder de Satanás.

Também, é possível que um “ex-crente” (um apóstata) possa vir a blasfemar contra o Espírito Santo. Um apóstata tem conhecimento de que Jesus Cristo é bom, mas o abandonou! É o caso daquele que uma vez compreendeu a mensagem do Evangelho, recebeu (superficialmente) o Senhor Jesus e depois, além de deixar de andar com Deus, preferindo o mundo, ainda acusa o Senhor Jesus de ser mau (envolvido com o diabo). Não há como uma pessoa dessas possa ser perdoada, pois rejeitou o único caminho para a remissão de pecados – Jesus! Um apóstata voltou irreversivelmente à condição de incrédulo perante Deus, e, “sem fé é impossível agradar a Deus” (Heb. 11:6).

O texto de Hebreus 6:4-6 é muito forte com relação à situação imperdoável dos apóstatas. Este é semelhante ao caso dos fariseus de Mateus 12. Eles conheciam (muito bem) as Escrituras. Conheciam o Deus único e verdadeiro, pois ele mesmo se revelou especialmente para eles (judeus). Sabiam que quando Deus cura, a doença não volta; que quando Deus expulsa demônios de alguém, os demônios não voltam a possuir a pessoa nunca mais. As curas que Jesus realizou foram assim. Os ex-doentes ficavam curados de vez. Os exorcizados por Jesus ficavam livres para sempre. Os fariseus, sabendo disto, ainda assim acusaram o nosso Senhor de ter parte com o diabo! É isto que não tem perdão, meu irmão!

Que fique claro que eu não quero dizer que um incrédulo pode ofender o Espírito Santo à vontade e será perdoado “automaticamente” só porque é incrédulo. Sem dúvida, não é isso o que a Palavra de Deus nos diz. O que eu afirmo é que, quando um incrédulo se arrepende e entrega sua vida ao Senhor, Cristo perdoa todos os seus pecados, passados, presentes e futuros. A remissão é completa e eficaz. Mesmo se ele, quando era incrédulo, zombou do Espírito Santo, o pecador arrependido é justificado completamente, ou seja, tornado justo por Jesus. É como o Jorge Camargo diz em sua canção, que Deus “Nos olha como santos… nos recebe como somos”. O Novo Testamento está cheio de passagens confirmando isto (Atos 10:43; Col. 1:14; Rom. 5:1; Rom. 8.1; 2 Cor. 3:9; Heb. 9:26,b).

Enfim, os judeus fariseus da época de Jesus pecaram contra o Espírito Santo. Os religiosos “fariseus” de hoje também podem vir a pecar contra o Espírito santo. Os apóstatas de ontem e de hoje, pecaram e pecam contra o Espírito Santo. Os verdadeiros crentes não pecam contra o Espírito Santo. Os incrédulos pecam contra Deus, mas, se nascerem de novo, serão perdoados.

—————————

Marcio Soares da Rocha é teólogo pelo Seminário Teológico Batista do Ceará  (STBC) desde 2013 e atualmente é mestrando em Teologia pela Trinity Graduate School of Apologetics and Theology — TGSAT (India); é escritor e líder de uma igreja que se reúne no seu lar, em Fortaleza.

Related Posts

Tags

Share This

16 Comments

  1. Flávio Américo

    Ou seja, se, mesmo sendo cristão, mas numa brincadeira fiz uma piada sem graça com cristo ou o Espírito Santo, e me arrependo hoje, posso descansar no perdão mediante a morte substitutiva de Cristo?

    • PCE

      Caro Flávio, como se vê no contexto bíblico, o pecado imperdoável não se trata de uma piadinha sem graça. Trata-se de atribuir os feitos de Jesus Cristo a poderes demoníacos, e considerar conscientemente Jesus mau e demoníaco, mesmo sabendo que ele não é. Se você não fez isto, não há qualquer motivo para pensar que praticou o pecado imperdoável.

  2. Flávio

    Muito obg pela resposta. Então, não é uma brincadeira nem uma idéia momentânea. É uma decisão sem volta, né?

  3. bruno

    falar mal do espirito santo a partir de um pensamento involuntário e um pecado imperdoável? mesmo repreendendo o pensamento e pedindo perdão?

    • Marcio Soares da Rocha

      Caro Bruno,

      Como explicamos logo no início do artigo, o pecado imperdoável (no contexto de Mateus 12) é especificamente atribuir os milagres de Jesus ao poder de Satanás, ou seja, dizer que Jesus fazia milagres com o poder de Satanás — como os fariseus fizeram, mesmo sabendo que Jesus era da parte de Deus. Jesus considerou isto imperdoável. Ofender ao Espírito Santo com pensamentos ou palavras é pecado; é grave (pois de Deus não se zomba), mas, não imperdoável. Se a pessoa se arrepender e humildemente pedir perdão a Deus, ele perdoa.

      • bruno

        Não passam de pensamentos incontroláveis, peço ajuda e perdão a Deus toda vez que acontece e sinto que diminui a cada dia que passa.

        • bruno

          nunca na minha vida eu teria coragem, vontade e tamanha estupidez para zombar de um ser tão divino e bondoso por vontade própria tanto por palavras quando por pensamentos conscientes.

        • Aline

          É, eu gostaria de saber a respeito de pensamentos involuntários contra tudo q só vem pra me atormentar assim como no caso do Bruno sofro muito com isso e não sabia q tinha pessoas q estão vivendo na mesma situação isso é horrível… eu amo meu DEUS, meu SALVADOR e minha mente ficou assim, luto contra isso mas ja cheguei a pensar q não tinha mais jeito pra mim…parece q minha propria mente está contra mim…é assim o medo de pensar algo contra DEUS, parece q aciona um pensamento q ñ é o q eu acho e passa rapidamente pela minha mente eu repreendo em Nome de JESUS, mas ss vezes ñ tenho força fico com raiva de mim mesma aí parece q pensei isso mas ñ quero q isso fique na minha mente e sempre tenho medo disso…o que sera q ta acontecendo cmg ja tem mais de um ano q isso começou depois q tive uma crise e me diagnosticaram com ansiedade e principalmente síndrome do pânico…eu peço perdão a DEUS mas isso ñ é de mim…eu ñ era assim…e tenho medo de ñ ter perdão…eu ñ quero ficar assim e nem ter esses pensamentos involuntários pois ñ é o q eu sinto, nem é o q eu acho… sei q JESUS é perfeito, santo, maravilhoso e preciso Dele e do ESPÍRITO SANTO q eu amo…sei q sem Ele ñ sou nada…isso q aconteceu tem algo a ver com o pecado imperdoável?
          Obg e a Paz de Cristo…

          • Marcio S. da Rocha

            Cara Aline,

            Pelo que percebi, isto não tem nada a ver com o pecado imperdoável. Você precisa de ajuda de profissionais médicos e terapeutas para tratar esses males de sua mente. E, se possível também procure cristãos sinceros para que orem por você e lhe imponham as mãos. Graça e paz do Senhor Jesus.

  4. bruno

    Oi, estou aqui de novo com outro serio problema, eu estava imaginando como foi a vida de Jesus e sem querer eu comparei com um filme de terror por ter passado por tantas coisas difíceis e que realmente dão medo, mais ao mesmo tempo vi que errei e pedi perdão a Deus, isso e um pecado imperdoável???? por favor me ajudem!!!

    • Marcio S. da Rocha

      Bruno,

      Eu já lhe respondi antes que, como explicamos logo no início do artigo, o pecado imperdoável (no contexto de Mateus 12) é especificamente atribuir os milagres de Jesus ao poder de Satanás, ou seja, dizer que Jesus fazia milagres com o poder de Satanás — como os fariseus fizeram, mesmo sabendo que Jesus era da parte de Deus. Jesus considerou isto imperdoável. Comparar a vida de Jesus a um filme de terror por causa do que ele passou principalmente nos seus últimos momentos não pode nem ser classificado como pecado.

  5. Lidia M O L

    Fui nascida e criada na igreja, me afastei quando tinha 17 anos e até hoje não voltei, hoje estou com 26 anos, tenho muita vontade de voltar para os braços do pai mas não consigo me desprender de coisas mundanas, isso me faz não ter o perdão de Deus?! Quando me converti senti a presença de Deus verdadeiramente em minha vida, nesse tempo que eu estou afastada tive muitas dúvidas sobre varias religioes, principalmente com o espiritismo só que nada do que li e ouvi me fez mudar meu pensamento a respeito de Deus e da vida eterna, nesse blog encontrei muitas respostas sobre pensamentos que vinham me atormentando, tenho medo de não ser perdoada por não conseguir voltar. Se alguém tiver alguma palavra que possa me ajudar ficarei agradecida.

    • Marcio S. da Rocha

      Cara Lídia,

      É gratificante para nós saber que este blog a ajudou; que nele você encontrou respostas sobre pensamentos que vinham lhe atormentando.

      Com relação à participar de uma igreja, considero que não existe Cristianismo isolado. Estar em Cristo é estar em comunhão com cristãos, reunindo-se regularmente com um grupo de irmãos, em nome de Jesus, para se edificarem mutuamente na fé e para adorarem juntos. Não estou falando de simplesmente “pertencer” ou frequentar uma instituição religiosa que se chama de igreja “A” ou igreja “B”. Quando digo participar de uma igreja, estou me referindo a compartilhar a vida com alguns irmãos, vivendo próximos uns aos outros, ajudando-se mutuamente nas dificuldades uns dos outros, expressando amor e companheirismo uns aos outros, divertindo-se juntos, contribuindo para aumentar a fé uns dos outros, orando uns pelos outros e reunindo-se semanalmente para compartilhar experiências com Deus, ensino da sua Palavra e para adorar ao Senhor Jesus com canções, poesias e orações. Viver igreja não é assistir cultos ou classes de escolas bíblicas; é participar, envolver-se em uma comunidade cristã.

      A plenitude da presença de Jesus está em sua igreja — em um corpo de cristãos reunidos. É nas reuniões de cristãos que Jesus se manifesta plenamente, pois ninguém sozinho possui toda a plenitude de Cristo nem todos os dons espirituais. Jesus disse: “Pois onde se reunirem dois ou três em meu nome, ali eu estou no
      meio deles”. (Mateus 18.20). Este verso deixa claro que a plena presença de Jesus na terra se manifesta nas reuniões das comunidades cristãs… com, no mínimo, dois ou três filhos de Deus reunidos em seu nome.

      Eu não sei exatamente o que lhe afasta de querer passar tempo junto a outros irmãos na fé. Porém acho incoerente uma pessoa afirmar que crê em Jesus e não desejar estar junto a outros irmãos.

      Uma coisa em sua mensagem me chamou atenção. Você disse “Fui nascida e criada na igreja…”. Ser nascido e criado numa igreja não torna ninguém Cristão; Batismo não torna ninguém cristão; Ser filho de cristãos não torna ninguém cristão; Cristianismo não é transmitido geneticamente. Cada pessoa precisa receber a Jesus como seu Senhor e Salvador pessoal para ser tornar um filho de Deus (ver João 1.10-12). Precisa crer do fundo do coração e testemunhar diante de outras pessoas (Romanos 10.9). Gostaria que você refletisse se alguma vez você já tomou uma decisão pessoal de receber a Jesus como seu Senhor e Salvador. Se nunca fez isto, lamento lhe dizer, mas você ainda não é uma filha de Deus. Ainda é apenas uma criatura de Deus. Se você apenas foi nascida e criada numa igreja, na verdade você nunca pertenceu à Jesus e à sua igreja e talvez seja por isso que o mundo lhe atrai tanto. Quando a gente recebe a Jesus como Senhor e Salvador, as coisas que não são de Deus (o “mundo”) se tornam sem graça para nós e as coisas de Deus é que nos atraem. Por fim, Lídia, se você ainda não recebeu a Jesus, faça-o. Nunca é tarde. Que o Senhor conceda a graça dele sobre você e sobre a sua família.

  6. Gabrielle

    Não, Bruno! Você tem tanto medo de cometer esse pecado que acaba pensando o que você não defende! Esses pensamentos não refletem a sua realidade. Se você se preocupa com isso e ama a Deus, você não blasfemou. Nossa mente nos engana, é uma confusão. O que você tem é medo de blasfemar, por isso pensa essas coisas.

  7. Samuel Almeida Barreto

    Um crente verdadeiro não comete o pecado de “blasfêmia contra o Espírito Santo.” O apóstata nunca foi salvo pela graça de Jesus, apenas usufruiu das bênçãos.